CFC, IASB, FEBRABAN E BNDES disseminam conhecimentos sobre IFRS

Share:

Em ação conjunta, o CFC (Conselho Federal de Contabilidade), o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), a Fundação IFRS e a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), reuniram especialistas dos segmentos contábil, tributário, econômico e empresarial para discutir a Contabilidade baseada nas IFRS (International Financial Reporting Standards - Normas Internacionais de Contabilidade). O objetivo do evento foi comunicar as mudanças ocorridas na Contabilidade sob a ótica das IFRS, com informações dirigidas a mais de 800 profissionais da área contábil, estudantes, professores e coordenadores dos cursos de Ciências Contábeis de todo o País.

O presidente do CFC, Juarez Domingues Carneiro fez um breve retrospecto da evolução contábil nos últimos anos, com a criação do CPC (Comitê de Pronunciamentos Contábeis) que atribuiu ao Brasil a missão e a responsabilidade de implantar e evidar todos os esforços para que as IFRS se tornassem realidade. Hoje, o Brasil ocupa uma posição de liderança e passamos a nos comunicar em bloco, aglutinando todo o pensamento da América Latina, por meio do Glenif.

Agora, com implantação das IPSAS (International Accounting Standards Board - Comitê Internacional das Normas Internacionais de Contabilidade) no setor público e das ISAS (International Standards on Auditing - Normas Internacionais de Auditoria) no segmento de Auditoria, o Brasil passa a aderir inteiramente aos padrões internacionais de Contabilidade, mesmo porque estamos conscientes de que a nossa profissão tem enorme responsabilidade com a transparência dos relatórios contábeis em todo o mundo.", disse Juarez Domingues Carneiro.


"Com a realização desse seminário, temos a oportunidade e o privilégio de receber grandes autoridades do segmento, todos imbuídos da importância da disseminação do conhecimento sobre as IFRS, para as mais de 1.200 instituição de ensino contábil, os mais de 500 profissionais atualmente registrados e atuantes e as mais de 78 mil organizações contábeis de todo o País", comentou o presidente do CFC.

O superintendente da área de desenvolvimento do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Gilbernardo Borges Leal, no ato representando o presidente do Banco Luciano Coutinho, falou da satisfação do órgão participar do evento, levando em consideração a importância do IFRS, por representar um padrão contábil a ser compreendido em qualquer parte do mundo.
Em seu pronunciamento, Gil Bernardo Borges Leal apresentou os dois grandes desafios do IFRS: "O primeiro é permitir que as empresas brasileiras tenham um padrão contábil em conformidade com a maior parte do mundo e, segundo, ter a percepção de que o mundo ao qual nos subordinávamos, com determinadas regras, passou. Agora é necessário o entendimento, o desenho mais lógico das informações contábeis, tanto de renda fixa quanto variável. Isso obriga as empresas a investirem mais em conhecimento e em transparência de suas contas", sentenciou.

Representando a visão da Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), o vice-presidente Executivo, Wilson Roberto Levorato, lembrou que os bancos foram os pioneiros a adotarem as Normas Internacionais de Contabilidade e agora o Brasil desponta como líder do processo na América Latina. "A convergência leva à maior transparência e obriga as empresa adotar uma mudança de filosófica e cultural, em suas várias áreas, incluindo a Tecnologia da Informação, Recursos Humanos, Tesouraria, Marketing, e produção, englobando todo o negócio. A convergência contábil contribui para um processo decisório correto,ou seja, é um facilitador para as empresas brasileiras competirem no mercado internacional."

O presidente do IASB (International Accounting Standards Board - Comitê Internacional das Normas Internacionais de Contabilidade), Hans Hoogervcorst, cumprimentou o Brasil por ser um dos líderes da implantação das Normas Contábeis no mundo, alertando que o IASB é uma organização global e que o IFRS é uma linguagem baseada em princípios. "Não gostamos de entrar em 'muitas regrinhas', essas não atravessam fronteiras e permitem interpretações e desvios. As grandes crises mundiais, inclusive a que estamos vivendo foram reflexos de regras detalhadas. O IFRS nos permite trabalhar com regras e fundamentos gerais, sendo que o importante e a interpretação do fato contábil."

"É importante que as mudanças na Contabilidade sejam disseminadas, ao máximo, para instituições de ensino, contadores, empresas e sociedade em geral. O nosso objetivo é divulgar as IFRS de forma democrática e irrestrita, por isso a realização desse Simpósio", disse Juarez Domingues Carneiro, presidente do CFC.

Com tradução simultânea, na programação foram apresentados vários temas: "Demonstração sobre Ensino de Contabilidade baseado na Estrutura Conceitual para Alunos de Graduação", por Michael Wells - Diretor de Educação da Fundação IFRS, Ricardo Lopes Cardoso - Professor da FGV e da UERJ e ex- Academic Fellow do IASB; "Demonstração do Ensino de Contabilidade baseado na Estrutura Conceitual Básica para alunos de MBA e Pós-Graduação", por Mary Barth - Professora da Stanford University, "O Papel da Estrutura Conceitual Básica na Interpretação das IFRS", por Bob Garnett - ex-Presidente do Comitê de Interpretações das IFRS; "A Importância do Julgamento Profissional", por Alexsandro Broedel Lopes - Diretor da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil (CVM); "Como a Educação Contábil vem se alterando em Função da Adoção das IFRS", por Eliseu Martins - ex-Diretor da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil (CVM); "Aperfeiçoando a Estrutura Conceitual Básica", por Mary Barth - Professora da Stanford University, Bob Garnett - ex-Presidente do Comitê de Interpretações das IFRS, e Michael Wells - Diretor de Educação da Fundação IFRS; "O Novo Perfil do Profissional da Área Contábil e Manual de Educação proposto pela Federação Internacional de Contadores (IFAC)", por Fábio Moraes da Costa 
- Professor da FUCAPE e membro do Conselho Consultivo da IASB.

Na sequência, Ana Tércia Lopes Rodrigues, representando o presidente do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), falou sobre o Exame Nacional de Suficiência; Alexandre de Botton - Diretor da Korn Ferry, palestrou sobre "O que o Mercado vem exigindo do novo Profissional da Área Contábil"; Yoseph Asmelash - Divisão de Desenvolvimento Corporativo do (ISAR-ONU), apresentou os "Requerimentos Mínimos para Qualificação de Profissionais da Área Contábil".

Fonte: CFC

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário